Apresentação

A sociedade contemporânea destaca-se pela produção de novas formas de conhecimento que enriquecem o campo da ciência moderna, pela exigência de um paradigma que extrapola o pensamento estritamente disciplinar e de uma metodologia que compartimenta e reduz objetos para gerar saberes. O pensamento disciplinar, sem dúvida, confere avanços às ciências e tecnologias, porém, os diálogos entre os diversos campos do conhecimento podem gerar não apenas diferentes níveis de complexidade como também diálogos maiores entre as disciplinas.

A importância de saberes interdisciplinares no mundo contemporâneo decorre da emergência de novos problemas, de diferentes naturezas e com níveis de complexidade crescentes, algumas vezes resultantes do próprio avanço dos conhecimentos científico e tecnológico, ancorados em práticas notadamente disciplinares.

A compreensão de temas que envolve a interface cultura e sociedade pressupõe necessariamente o diálogo entre saberes e práticas interdisciplinares tendo em vista que a cultura se manifesta e se materializa em diferentes suportes, linguagens e tecnologias – música, teatro, dança, performance, literatura, artesanato, narrativas orais, arquitetura, artes visuais etc.

Entende-se a cultura numa perspectiva dinâmica, tendo em conta, inclusive, os processos de hibridização (CANCLINI, 2000), A proposta considera a apropriação material e simbólica de uma determinada categoria de objetos ou práticas classificadas e classificadoras, que dão forma a um estilo de vida (BOURDIEU, 1988, 2003; GEERTZ, 1989). Entende-se ainda a cultura como recurso (YUDICE, 2004) no sentido de tomar as diferentes expressões culturais como uma alternativa de desenvolvimento. Nessa compreensão, consideram-se ações voltadas para ideias expansionistas, renovadoras, emancipadoras e democratizadoras. (CANCLINI, 2000).

A complexidade desse quadro exige uma aproximação não só entre disciplinas afins, como também entre disciplinas de distintas áreas, tais como antropologia, a literatura, a filosofia, a geografia, comunicação, a sociologia, a ciência política, entre outros, o que ressalta a relevância de novas formas de produção de conhecimento cujos objetos são fenômenos que se situam em fronteiras interdisciplinares.

Essas reflexões orientam esta proposta, que tem como foco ampliar os debates e as discussões sobre a importância de saberes e práticas interdisciplinares na construção do conhecimento científico no âmbito da interface cultura e sociedade na contemporaneidade, marcada por trânsitos culturais e reconfigurações das produções simbólicas.